Os lírios do país do sonho
Só têm o aroma de ser vistos...
Meu ser inútil e tristonho
Não o consola nem a Cristo
 
Só o sonhar inútil e só ver
E que nada vem alterar
É a paisagem do meu ser...
E o meu céu é abdicar.

[1920-1921]

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar