No fim de tudo dormir. 
No fim de quê? 
No fim do que tudo parece ser..., 
Este pequeno universo provinciano entre os astros, 
Esta aldeola do espaço, 
E não só do espaço visível, mas até do espaço total.

 


Posterior a 1930

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Teresa Rita Lopes, 2002
Álvaro de Campos
« Voltar