Com que encherei o vácuo de meus dias
      Senão com pensamento?
Com que terei não tidas alegrias
Senão deixando-me, e, por um momento,
      Pensar sem nostalgias?

Ah, pensamento, nome
Da imaginação quando precisa
Como um opiato, alheia nos consome
      Tua □

27 - 11 - 1924

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar