Duvidosa esperana, certo medo
de no ouvirdes, Senhora, os meus danos
fizeram que no fiz isto mais cedo.

Mil remdios busquei, busquei enganos
por encobrir o mal que me causais,
temendo outra dor dos desenganos.

Mas tudo quanto fiz, fiz por de mais:
Amor, que como quer, de mi o ordena,
no sofre que tal dor encubra mais.

A ser vosso, Senhora, me condena;
nisto merc me faz: a vs se ofende,
a culpa ao amor dai, a mim a pena.

No cuideis que minha alma se defende
de cousa de que vs fordes contente,
porque s isso busca, isso pretende.

Ditosa dor a que por vs se sente:
ditoso, pois conheo esta verdade,
para no ser das minhas descontente.

Contudo, a no poder uma vontade
to pura, e tanto a medo oferecida,
mover-vos de meu mal a piedade;

no quero mais viver, no quero vida;
melhor me ser morte que desgosto
a quem tanto desejo ver servida.

Banhem minhas lgrimas meu rosto;
suspire o corao, que treme, e arde;
chorar e suspirar seja o meu gosto.

No queiram os meus fados que me guarde
de sentir nova dor, novo tormento,
que sinto muito mais senti-lo tarde.

Quisera, ds que tive entendimento,
por ver se com firmeza vos movia,
no ter em outra cousa o pensamento:

em vs cuidar a noite, em vs o dia;
por vs sentir prazer, por vs tristeza;
sem vs ter pera mim que no vivia.

Mas nem por isso haja em vs crueza:
sofre-se mal num peito delicado;
parece cousa contra natureza.

Olhai que em vivas chamas abrasado
por remdio, Senhora, ante vs venho;
busc-lo noutra parte escusado.

Porque no val' saber, fora nem engenho,
pedras, palavras, ervas de virtude,
contra o golpe de amor, que n'alma tenho.

Se vossos olhos podem dar sade,
se neste grave mal me no socorrem,
deixem-me morrer j, ningum me ajude.

Ditosos so os tristes, quando morrem
no comeo dos danos, que no sentem
quo vagarosas as tristezas correm.

Porm, se as esperanas me no mentem,
espero deste conto inda ser fora,
que cruezas em vs no se consentem.

Enfim, a fim de tudo , Senhora,
que, se me no valeis, tenhais por certo
que cedo verei a derradeira hora.

J que meu mal vos tenho descoberto,
havei de mim d: no seja isto, enfim,
(como dizem) dar vozes em deserto.
Valei-me, que por vs me perco a mi.

Luís Vaz de Camões
[DUVIDOSA ESPERANÇA CERTO MEDO]
Voltar