Quando penso que os dias a passar
Em passos breves, mas em peso sentidos,
Minh’alma levam a espaços temidos
E a juventude à morte vai dar,

Por estranho e triste que me pareça
Que em breve (ora vivo) eu vá morrer,
Vaga, incerta dor que pesa em meu ser
Faz com que a mente em pavor desfaleça.

Contudo mesmo em raiva, choro e pena
Cada instante é consolo ao coração
E com riso acolherei cada gemido:

Do fundo desespero a esp’rança acena.
Na morte não vejo a libertação
É melhor o mau que o desconhecido.


1904

In Poesia , Assírio & Alvim , edição e tradução de Luisa Freire, 1999
Alexander Search
« Voltar