Que fútil toda esta tristeza
Que uns vagos versos vácuos dão,
Num modo de nem sim nem não,
À quente e abstracta singeleza
De se sentir o coração!
8 - 10 - 1934

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar