A menina dorme.
Sossega enfim.
A noite é enorme.
Não chega p’ra mim…

Quero inda mais grande
A noite que há
Para que eu não ande
Onde nada está.

Que a menina quer
Dormir sossegada…
Sonha malmequer,
Muito, pouco, nada.

13 - 9 - 1934

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar