A inocência perpassa —
Teu rosto
Súbito
Na memória


As intermináveis
Conversas
No café
Vistas através
Do vidro do tempo
São agora transparentes


A ausência do teu rosto
É uma presença
Onde inesperada
Perpassa rápida
E muito lenta
A graça
Da inocência  

 


Bóston, 19 de Agosto de 90

In Átrio
Alberto de Lacerda
« Voltar