Tirem-me a coleira de prata
Com que fui cão do Destino.
Meu coração que se parta
Como um boneco sem menino.

Não saiam das vielas!
Não cantem, que eu acabo!
Quero beber as estrelas
Num dos cornos do Diabo!

20 - 8 - 1930

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar