Fecundante é o olhar
De quem somos amados
Pássaros de fogo
Na seara ardente.
E depois atravessamos o chão sem futuro
Com uma capa de cinza nos ombros frios.

In Voz Nua , Livros Horizonte, 1986
Matilde Rosa Araújo
« Voltar