Ambos no centro do furacão
agora somos o que não vês

Até fincarmos os pés no chão
que remoinho vivem os pés

Só tu consagras o turbilhão
como suporte da fixidez


In O corpo iluminado
David Mourão-Ferreira
« Voltar