da suave fala das abelhas conhecíamos
    o híbrido ouro dos abdómenes, a transparência irreal das asas carregadas
de pólenes e desconhecidas tarefas
    conhecíamos o murmúrio majestoso do mel
    e de como à proximidade dos dedos em pleno voo se solidifica a luz
   
    os corpos em cera clamam pelo vagaroso olhar das melíferas despojadas
    e no rumorejar do místico alimento surge, armazenada nos favos da
língua, a fala
 
    no fundo, eu atravessava-te sem me deter
    nada sabia ou sei acerca da morte
    nem das ruínas deste outro corpo que o mal é capaz de ressuscitar

 


In O Medo
Al Berto
« Voltar