Fermoso Tejo meu, quo diferente
te vejo e vi, me vs agora e viste:
turvo te vejo a ti, tu a mi triste;
claro te vi eu j, tu a mi contente.

A ti foi-te trocando a grossa enchente,
a quem teu largo campo no resiste;
a mi trocou-me a vista, em que consiste
meu viver contente ou descontente.

J que somos no mal participantes,
sejamo-lo no bem. Ah, quem me dera
que fssemos em tudo semelhantes!

L vir ento a fresca primavera:
tu tornars a ser quem eras dantes,
eu no sei se serei quem dantes era.

Luís Vaz de Camões
[FERMOSO TEJO MEU QUÃO DIFERENTE]
Voltar