Mas tu mulher, tu homem, tu criança,
Tu, menino da incógnita clareza,
Em que sonhos de sombra e de beleza,
Banhaste de ouro e alarme a tua 'sp'rança?

Príncipe falso de domínios idos,
Vivendo louco entre o que vive a estar,
Não tinhas aqui casa nem lugar,
Senhor pardo dos sonhos esquecidos...

Teu coração batia de outro modo
Que o ritmo que faz coisas das estrelas.
Para ti as manhãs seriam belas
Se ali coubesse o universo todo.

E assim, tomando a vida por brinquedo,
A escangalhaste, ainda se fora a tua.
Amuaste porque te não deu a lua
Quem dá a dor, as fórmulas e o medo.

E assim partiste, como um cavaleiro
Da Idade Média que só há em nós
À procura de anónimos avós
Que fossem donos do universo inteiro.

18 - 1 - 1935

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar