Quando a flor da água não for superfície
Nem for outra cor para a flor do fundo;
Quando a sombra der de si mesma indício;
Quando um lírio for de si mesmo oriundo;


Quando os astros forem a luz que os anima
E as rosas iguais ao que são por fora
E a forma do corpo florir na retina
Subida do peso carnal que a demora;


Quando um rouxinol for no próprio canto
Vibração da sua mais longínqua era;
Quando as violetas não forem o espanto
De se transformarem para a primavera;


Quando uma laranja comer um rapaz
Em vez desta fome disposta ao contrário;
Quando for o mesmo à frente ou atrás;
Quando estar sentado for imaginário;


Quando uma donzela não for colorida
E a terra a medida dum corpo no chão
E a morte não for outro nome para a vida
E a vida esta grande falta de razão:


Quando uma cidade for A Conseguida
Porque uma cigarra tem opinião;
Quando dar a mão não for despedida
E um gesto não for o exílio da mão…

 


In Passaporte
Natália Correia
METAMORFOSES NECESSáRIAS PARA A RECONQUISTA DO MUNDO
« Voltar