Longe da turba e das espadas
Ele dorme.
Cercam-no claustros ou arcadas?
Em torno há’ só a noite enorme.
25 - 7 - 1919

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar