O inverno passa, tardando
      Em passar.
O ar, asperamente brando,
      Faz ‘sperar.
Se tudo quanto eu desejo
      Fosse meu,
Nunca teria um ensejo
      De ser eu.

O inverno passa, mas dura.

25 - 4 - 1931

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar