Ronda o vento, ronda o vento,
O vento ronda o meu ser,
E faz do meu pensamento
Um arvoredo a mexer.

a voz do caos que vem
s almas novas lembrar
O abismo que as coisas tem
Sob o cu, a terra e o mar.

Abstracta, alta, veloz,
Gela-me as sombras que trilho,
Porque esta voz a voz
Do nada a chamar-me filho.

 

12 - 8 - 1930

In Poesia 1918-1930 , Assrio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
Voltar