Todo o Ser, na sequência
das transformações, apela
um dia para ser outro.
Em Setembro, na pequena casa
de troncos e dúbio colmo,
apaga-se o alvor da manhã
em janelas, porventura poças.
Da soleira desce-se então
para um berço da caruma,
chão que inebria o olfacto.
Depois do sol, as nuvens
insistem uns dias em espelhar-se
nos resíduos de chuva.

 


In Setembros
Fiama Hasse Pais Brandão
« Voltar