Os dois do lugar
Vieram brincando,
Cantando ou beijando,
Por mim a passar…

Rapazes da aldeia
Passaram onde eu
Olhava só o céu
Sob a lua cheia.

Vinham da taberna
Brincando, cantando,
No silêncio brando
Desta noite terna.

Eram dois ou um?
Como a sombra engana!
Mas que importa? Irmana.
Eu não sou nenhum.

 

1 - 2 - 1934

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar