Vários são, vários agem, vários querem
Os que, nossos iguais salvo em poder,
Não precisam de ter, para que imperem,
Ou justiça, ou bondade, ou harmonia...
Mas só a força e a posse do querer,
E a imperiosa e incerta fantasia.

[c. 28-8-1923]

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar