Nosso patrão é bom,
É franca a sua mão:
Bebamos à saúde
E à sorte do patrão!
Vá uma tigela cheia
Do vinho abençoado!
Bebamos pelos campos
Onde passou o arado,
P'los nossos companheiros
Neste trabalho duro,
Pelo cavalo branco,
Pelo cavalo escuro!
Nosso patrão é bom:
Que Deus sempre o ajude!
bebamos a nós mesmos
E à nossa saúde!

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar