Sobre ti, o sangue dos que viu lutar
A terra africana, irmão contra irmão:
Bonecos vendidos, nas almas terão
Tua marca. Podem teu nome apagar

Da boca dos homens; ou nem ser lembrado
Em tua glória no teu berço natal;
Mas ante nós e Deus ficarás igual
Em teu feito horrendo, sempre desonrado.

Onde jazem filhos, maridos amados
Que tua arte maldita fez perder?
Lágrimas e sangue, pingos derramados

Em triplo pavor, em tripla justeza,
Rolem, cada um, em torrente a ferver
Esmagando-te a alma, por tua cabeça!


1905

In Poesia , Assírio & Alvim , edição e tradução de Luisa Freire, 1999
Alexander Search
« Voltar