Quem sou és tu
Ideia que de mim faço...
Estendo o braço
E o braço é nu
Mesmo de espaço...

Sai desde Deus
Até ser meu...
Em torno há os céus...
E além do céu
Ainda estou eu...

Na noite estendo
Meu braço, parte
Do que vou sendo...
Ei-lo, o estandarte
De Deus...

31 - 12 - 1914

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar