Estás só. Ninguém o sabe. Cala e finge.
      Mas finge sem fingires.
Nada speres que em ti já não exista,
      Cada um consigo é tudo
Tens sol se há sol, ramos se ramos buscas,
      Sorte se a sorte é dada.
6 - 4 - 1933

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, 2000
Ricardo Reis
« Voltar