Se o teu castelo chega até ao céu,
Até aos deuses chega o meu.
Porque a contemplação, sem erguer menos,
Os castelos pequenos
À condição humana rente ao chão,
Ascende à compreensão
E um só momento basta para erguer
Sem que lho possam abater,
A divina estrutura de chegar
Aos deuses, só por os achar.
8 - 7 - 1920

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar