No prato da balança um verso basta
para pesar no outro a minha vida.

In Ofício de Paciência
Eugénio de Andrade
« Voltar