Guia-me a só Razão
Não me deram mais guia.
Alumia-me em vão?
Só ela me alumia.

Dizem que a Noite a flux
Pequena de uma aurora.
Luz que vem não é luz:
Não me alumia agora.

Dizem que a Noite não
É mais que Luz à mente.
Porque é Noite então?
Porque é que o olhar mente?

Porque hei-de eu crer que ver 
É ser cego, se vejo,
Se vejo que nascer
É só por um desejo?
20 - 6 - 1921

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar