Repararás um dia que me amaste
E que, talvez, amaste só a mim...
Foste. Casada felizmente andaste
Pela estrada que afirmam não ter fim.

Eu deixo rastos nos recantos vagos
Das almas, quando passo... Vagamente
Elas sentem em mim o senhor dos lagos
Sobre as quais a brisa □ sente.

 

18 - 11 - 1914

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar