A tua voz e o que ela diz,
Ao meu ouvido desatento
São duas coisas. Nada fiz
Neste momento

Senão sentir que o que dizias
E tua voz
Eram duas caixas vazias
Jazendo sós,
Como num cais mercadorias…

 

18 - 8 - 1934

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar