O burburinho da água 
No regato que se espalha 
É como a ilusão que é mágoa 
Quando a verdade a baralha.


1934-1935

In Poesia do Eu , Círculo de Leitores, edição de Richard Zenith, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar