Eu no sou eu nem sou o outro,
Sou qualquer coisa de intermdio:
           Pilar da ponte de tdio
           Que vai de mim para o Outro.

Lisboa, fevereiro de 1914
Mário de Sá-Carneiro
Voltar