Pouca verdade! Pouca verdade!
Tenho razão enquanto não penso.
Pouca verdade…
Devagar…
Pode alguém chegar à vidraça…
Nada de emoções!...
Cautela!
Sim, se mo dessem aceitaria…
Para quê?
Que pergunta! Aceitaria…

 

18 - 6 - 1930

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Teresa Rita Lopes, 2002
Álvaro de Campos
« Voltar