Ó corpo feito à imagem 
de meu desejo e meu amor, 
que vais comigo de viagem 
pra onde eu for, 

que mar é este em que andamos, 
há três noites bem contadas 
e não tem ventos nem escolhos 
nem ondas alevantadas? 

que sol é este, que aquece, 
mas sereno, tão sereno, 
que nem te põe menos branca 
nem a mim põe mais moreno? 

que paz é esta, nas horas 
mais violentas e bravas? 
(Sorrias: ias falar. 
Sorrias e não falavas.) 

que porto é este? esta ilha? 
que terra é esta em que estamos? 
(Era uma nuvem, de longe... 
Deixou de o ser, mal chegámos.) 

e este caminho, onde leva? 
e onde acaba este jardim 
que é tão em mim que é em ti? 
que é tão em ti que é em mim?... 

Ó alma feita à imagem 
do sonho que me desmede 
— que sede é esta que temos 
que é mais água do que sede? 

In PELO SONHO É QUE VAMOS , Ática, 1992
Sebastião da Gama
« Voltar