Vai pois e conta nos jornais diários 
ou escreve com ácido nas paredes 
o que viste, o que sabes, o que eu disse 
entre dois bombardeamentos já esperados. 
 
Mas diz-lhes que se mantém indevassável 
o segredo das torres que nos erguem, 
e suspensa delas uma flor em lume 
grita o seu nome incandescente e puro. 
 
Diz-lhes que se resiste na cidade 
desfigurada por feridas de granadas 
e enquanto a água e os víveres escasseiam 
aumenta a raiva 
              e a esperança reproduz-se 
1952

In O PÊNDULO AFECTIVO - ANTOLOGIA POÉTICA:1950-1990 , Edições Afrontamento, 1991
Egito Gonçalves
[[VAI POIS E CONTA NOS JORNAIS DIÁRIOS]]
« Voltar