Est o lascivo e doce passarinho
Com o biquinho as penas ordenando,
O verso sem medida, alegre e brando,
Espedindo no rstico raminho.

O cruel caador (que do caminho
Se vem calado e manso desviando),
Na pronta vista a seta endereitando,
Lhe d no Estgio lago eterno ninho.

Destarte o corao, que livre andava
(Posto que j de longe destinado),
Onde menos temia, foi ferido.

Porque o Frecheiro cego me esperava,
Pera que me tomasse descuidado,
Em vossos claros olhos escondido.

Luís Vaz de Camões
[ESTÁ O LASCIVO E DOCE PASSARINHO]
Voltar