Estou morrendo, esquecendo
o que não posso escutar
sem tremer, tremer de medo,
de vergonha recusada
perante o alvorecer
desta terra, minha amada.

Terra minha, minha amada,
no teu ventre vou nascendo
como promessa ofertada
por um povo sonhador.

Por um povo sonhador,
mais do que nunca sentido.
Deus, meu Deus, Senhor do Mundo!
Pai Nosso que estais comigo!

Estou morrendo, estou lembrando,
Pai Nosso que estais no céu!
O meu povo desce à praça
Não sou eu, mas Nós com ele!

E o nome de Deus abraça,
abençoa, atrai, avança
a linha do horizonte
onde o povo já desponta!

 


In O a Fazer Faz-se
Ruy Cinatti
ANOITECENDO A VIDA RECOMEçA
« Voltar