Com que revolta me reconheço,
Sempre esquecido do que eu amei!
O sol luz claro, o céu azul
Dá aos sentidos a lucidez
O vento é brando neste amplo sul,
E os mortos morrem segunda vez.

[27-3-1934]

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar