Em sinal de sorte ou de desgraça
A tua sombra cruza o ângulo da praça (Trémula incerta impossessiva alheia
E como escrita de lápis leve e baça)
E sob o voo das gaivotas passa
Atropelada por tudo quanto passa

Em sinal de sorte ou de desgraça

1972

In O Nome das Coisas
Sophia de Mello Breyner Andresen
« Voltar