Nem da erva humilde se o Destino esquece.
      Seiva a lei o que vive.
De sua natureza murcham rosas
      E prazeres se acabam.
Quem nos conhece, amigo, tais quais fomos?
      Nem nós os conhecemos.

 

20 - 11 - 1928

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, 2000
Ricardo Reis
« Voltar