Um... dois... três...
Passos vêm de leve
E vão-se outra vez.
Têm o som da neve.

Um... dois... três...
Ténue é o ritmo seu...

Um dois três...
Quem dança na noite?
Vêm mais uma vez
Sem que o som se afoite...

Um dois três
Numa ronda invisível
 
Um dois três
Fogem, cessam...

Um dois três
Quantos é que são?

São como as folhas rés
Vés do pálido chão.


[1-3-1917]

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar