Se, despois de esperana to perdida,
Amor pola ventura consentisse
que ainda algũa hora breve alegre visse
de quantas tristes viu to longa vida;

ũa alma j to fraca e to cada,
por mais alto que a sorte me subisse,
no tenho para mim que consentisse
alegria to tarde consentida.

No to somente Amor me no mostrou
ũa hora em que vivesse alegremente,
de quantas nesta vida me negou;

mas inda tanta pena me consente,
que co contentamento me tirou
o gosto de algũa hora ser contente.

Luís Vaz de Camões
[SE DESPOIS DE ESPERANÇA TÃO PERDIDA]
Voltar