Só esta liberdade nos concedem 
      Os deuses: submetermo-nos 
Ao seu domínio por vontade nossa. 
      Mais vale assim fazermos
Porque só na ilusão da liberdade 
      A liberdade existe.

Nem outro jeito os deuses, sobre quem
      O eterno fado pesa,
Usam para seu calmo e possuído 
      Convencimento antigo
De que é divina e livre a sua vida.
      Nós, imitando os deuses,
Tão pouco livres como eles no Olimpo,
      Como quem pela areia
Ergue castelos para encher os olhos, 
      Ergamos nossa vida
E os deuses saberão agradecer-nos
      O sermos tão como eles.

30 - 7 - 1914

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, 2000
Ricardo Reis
« Voltar