Desejo partir
Desejo não ser
Mais eu a seguir
Ao que estive a ter.

Desejo a distância,
Desejo afagar
A inútil fragrância
De já aqui não estar.

Amigos, afectos,
Se os tive ou não tive,
E não são objectos
Do que em mim me vive.

Por isso, partir,
Deixar aqui morto
Quem fui sem sentir..

 

1 - 8 - 1931

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar