Uma ave alucinada
nasce debaixo de mim
As pontas de suas asas
sobre meus ombros se fincam

enquanto o ventre já parte
para a viagem mais íntima
Negros lenços se desfazem
Túnicas brancas se pisam

Nesta abóboda encarnada
a saliva sabe a sangue
Gemendo moves as asas
mas sou eu quem vai voando

 


In Música de Cama
David Mourão-Ferreira
« Voltar