Como pedra que se afunda
      No mar
A superfície torna-se unidade e funda
A pedra continua a perdurar.

Tudo é ilusão. Creio em mais que uma vida.
      Minha visão, não tu, é o momento.
É mais real o belo na guarida
Que (te) dá, pensando-te, o meu pensamento.

31 - 12 - 1914

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar