Queria andar toda a vida
Sonhando num balouço...
Seria menos comprida
A vida que sinto e que ouço...

Bate-me o coração..
Se eu fosse pelo ar, pelo ar
No fim de balouçar...
Seria mais belo e mais são...

Up! o balouço vai alto
Eia! lá desce[.] - é fugir...
Escrevo estes versos a rir
A rir... p'ra não chorar alto...

 

8 - 5 - 1915

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar