Irrompe do teu corpo iluminado
toda a luz de que o mundo sente a falta
Não a que mais reluz   Só a mais alta
Só a que nos faz ver o outro lado

do bosque onde o Futuro e o Passado
defrontam o Presente que os assalta
num combate indeciso a que nem falta
o sabor de saber-se ilimitado

Irrompe assim a luz entre os extremos
da mesma renovada madrugada
E vibra a cada instante um novo grito

Com essa luz do grito é que nós vemos
que Passado e Futuro não são nada
apenas o Presente é infinito

 

 


In O corpo iluminado
David Mourão-Ferreira
« Voltar