Não sei porquê, estou triste…

Tão-pouco um sonho perdido
Ou o amor que morreu…
O sonho não tem sentido,
O amor nunca foi meu.

Mas dentro de mim persiste
Um vago amargurar.
Não sei em que consiste.
Não sei porquê, estou triste
Sem sentir nem pensar.

 


In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar