Beco do Fala-Só…
Quem teria trazido
Do fundo de riso ou dó
Este nome vivido?

Louco? Bêbado? Poeta?
Falava só consigo.
Nessa amplidão completa,
Suficiente e secreta
De quem não tem amigo.

Beco do Fala-Só…
Qualquer alma é assim.
Que eu tenha de mim dó…
Ninguém o tem de mim.

9 - 7 - 1934

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar